Veja Quem É O Invasor Que Levou Bandeira LGBT+ No Jogo Entre Portugal E Uruguai

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma cena inusitada marcou o duelo entre Portugal e Uruguai na tarde desta segunda-feira (28): um invasor exibiu a bandeira LGBT+ para todo o estádio durante a partida da Copa do Mundo do Catar.

O homem em questão é um italiano, identificado como Mário Ferri. Ele já é figura conhecida pois invadiu outros jogos com a camiseta do Super-Homem.

Ele entrou no campo durante a semifinal entre Espanha e Alemanha em 2010. Em 2014, durante as oitavas de final entre Bélgica e EUA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

https://twitter.com/i/status/1597343170526056449

Além de carregar a bandeira do orgulho gay, o torcedor também mostrou a mensagem “Salve a Ucrânia”, na parte da frente da camiseta.

Já na parte de trás, a mensagem escrita foi “Respeito às mulheres iranianas”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Três seguranças deteram o torcedor, retirando-o do campo segundos depois de interromper o jogo.

Restrições Do Catar

De acordo com as regras do Catar, é proibido fazer manifestações que instiguem ou induzam apoio aos direitos do grupo social
Manifestações de apoio aos direitos LGBT+ são proibidas no país / Imagem: reprodução

A Copa do Mundo foi alvo de polêmica em todo o Catar, onde a homossexualidade é ilegal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com as regras do Catar, é proibido fazer manifestações que instiguem ou induzam apoio aos direitos do grupo social. 

Segundo o Código Penal do Catar, a pena para este crime é de até 10 anos de prisão.

A Fifa deu uma reviravolta em sua postura para permitir que os torcedores usassem itens de arco-íris nos estádios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o Código Penal do Catar, a pena para este crime é de até 10 anos de prisão
A pena para quem incentiva apoio à comunidade é de até 10 anos de prisão / Imagem: reprodução

As cores se tornaram um dos momentos tensos do torneio, já que muitos jogadores, dirigentes e torcedores querem fazer um gesto de solidariedade à comunidade LGBTQ +.

Alguns apoiadores e mídia tiveram itens de vestuário com bandeiras de arco-íris confiscados, inclusive, houve até confusão com a bandeira de pernambucano na última terça-feira (22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com as federações limitadas pela forma como queriam protestar, jogadores da Alemanha cobriram a boca em um ato de manifestação antes da partida contra o Japão.

Até a bandeira de Pernambuco foi alvo da fiscalização do Catar
Até a bandeira de Pernambuco foi alvo da fiscalização do Catar / Imagem: reprodução

A Alemanha afirma que a Fifa “negou voz”, acrescentando: “Queríamos usar nossa braçadeira de capitão para defender os valores que mantemos na seleção alemã: diversidade e respeito mútuo. Juntamente com outras nações, queríamos que nossa voz fosse ouvida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Não se tratava de fazer uma declaração política – os direitos humanos não são negociáveis. Isso deveria ser dado como certo, mas ainda não é o caso. Por isso esta mensagem é tão importante para nós. Negar-nos a braçadeira é o mesmo que nos negar a voz. Mantemos nossa posição.”

Enquanto a federação inglesa insiste que teme “responsabilidade ilimitada” se usar a braçadeira OneLove, o executivo-chefe Mark Bullingham disse à ITV: eles tomariam medidas disciplinares contra qualquer jogador que usasse a braçadeira além de ter um cartão amarelo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Tivemos muitas reuniões com a Fifa durante esse período e no sábado antes do jogo sentimos que havíamos chegado a um acordo sobre onde deveríamos usá-lo”, acrescentou Bullingham. “Não tínhamos permissão, mas enfrentaríamos uma multa por isso.

“Infelizmente, no dia do jogo, eles nos avisaram com 10 minutos de antecedência – duas horas antes de irmos para o jogo. Eles vieram aqui com cinco oficiais e nos apresentaram um cenário em que, no mínimo, qualquer um que usasse a braçadeira seria autuado e enfrentaria medidas disciplinares”.

Total
0
Shares
2 comments
  1. As seleções de futebol, não são responsáveis diretas pelas responsabilidades ocorridas com a mesma. Os que respondem pelos atletas que formam as seleções, são as autoridades do futebol de cada país. Jogador vai a copa, jogar, e não para assumirem deliberadamente, tomando atitudes, que compete às autoridades. Se não estão satisfeitos, comprem uma passagem e volte para onde queira ir. Estes “manés” se julgam deuses. Respeito é bom, e todo mundo gosta. Que vão fazerem o que querem, no quintal de suas casas. Quanto aos “gays”, (especialmente este que invadiu o campo), LEI DA SHARIA neles, para entenderem que NÃO AGRADAM A TODO MUNDO!

Deixe um comentário
Previous Post
Vítor Pereira

Por Que O Flamengo Escolheu Vítor Pereira?

Next Post
Eduardo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro Explica Sua Visita Ao Catar

RELACIONADOS